Transtorno do Movimento Estereotipado

13649412_1247484461936892_1020344501_nNa Coluna do Especialista de hoje, a psicóloga Michele Menegon explicará sobre um distúrbio de movimento, o Transtorno do Movimento Estereotipado. Esse tipo específico de discinesia pode aparecer em quadros emocionais de ansiedade e também junto com outros transtornos, como o Transtorno do Espectro Autista. É sobre esse último caso que Michele trata em seu texto, também falando sobre a importância da equoterapia para as pessoas com determinados graus de estereotipias.

—–

“Transtorno do Movimento Estereotipado

Dentre os distúrbios de movimento, podemos mencionar o transtorno do movimento estereotipado. É um comportamento repetitivo, muitas vezes intencional. É muito presente nos TIDs (Transtornos Invasivos do Desenvolvimento), como no caso do autismo, por exemplo.

O movimento Flap, que é aquele movimento onde a criança autista faz ao levantar os braços e balançar as mãos, é um movimento estereotipado. Para muitos autistas, principalmente os não-verbais, os movimentos estereotipados são uma maneira de se comunicar, seja quando estão alegres, tristes, bravos ou eufóricos. É importante salientar que o transtorno do movimento estereotipado não possui associação a outro transtorno psiquiátrico ou neurológico.

Sobre o autismo, é um grave erro dizer que o autista não percebe o mundo. Ele percebe muito mais do que imaginamos! A deterioração sensorial por ele sofrida faz com que uma grande carga lhe seja dada. Para os não-autistas, um simples vento pode não ser nada, mas, para os autistas, um simples vento pode ser o mesmo que um furacão. E a utilidade do movimento estereotipado é amenizar a sensação que o autista vivencia perante estas situações.

O movimento estereotipado é prejudicial quando traz problemas ao indivíduo. Um exemplo de movimento estereotipado que traz problemas é o de bater em si mesmo. Este tipo de movimento pode fazer com que o autista se machuque.

Através de algumas terapias alternativas, a pessoa pode ter as estereotipias amenizadas, a equoterapia é um exemplo. Estar em cima de um cavalo não é fácil, e ao estar ali o indivíduo deve ter limite, e o cavalo proporciona isso. Muitos dizem que o cavalo e o autista têm muito em comum: a fragilidade interna, o jeito de ser, a dificuldade para quebrar rotinas… Por isso que a maioria dos casos de pessoas autistas que realizam a equoterapia tem sucesso.

Infelizmente, a sociedade ainda não está preparada para lidar com pessoas que possuem estereotipias. Já presenciei alguns comentários, do tipo: “Credo!”, “Fulano é louco!”, “Fulano é mal educado!”. Cabe a nós, profissionais que trabalham com autistas, fazer com que uma boa parte da população possa obter a informação correta”.

—–

Psicóloga Michele Menegon

Formada em Psicologia. Pós-graduanda em Neuropsicopedagogia e em equoterapia. Com cursos na área de reabilitação de pessoas com deficiência e transtornos globais. Atua em clínica e em equoterapia.

* Conteúdo escrito e fotografia dessa postagem cedidos Michele Menegon.

Anúncios

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s